Campinas polo multimodal de transportes

Campinas deverá ter polo multimodal de transportes até 2014
16 de Março de 2009

Campinas pode se transformar até 2014 num polo multimodal de transportes, abrangendo o Aeroporto Internacional de Viracopos, o veículo leve sobre pneus (VLP), o trem de alta velocidade (TAV) que ligará São Paulo, Campinas e Rio de Janeiro, e associado à circulação de ônibus e microônibus urbanos e intermunicipais da região metropolitana de Campinas (RMC), através do corredor metropolitano noroeste.

Com isso, os Terminais Campo Grande, Ouro Verde, Central, o Terminal Multimodal Ramos de Azevedo (rodoviária), o Terminal Metropolitano Prefeito Magalhães Teixeira e o Aeroporto de Viracopos estarão interligados por todos esses sistemas de transportes.

O secretário de Transportes de Campinas, Gerson Luiz Bittencourt, revelou ontem ao DCI que o projeto de implantação do VLP, anunciado no início do mês pela administração, pode contemplar o sistema rótula e contrarrótula, a ligar o quadrilátero da região central. Inicialmente, o projeto previa somente a implantação de quatro grandes ramais: uma ligação entre a nova rodoviária e o Terminal Central, que deverá estar em operação até o final de 2010; uma ligação entre os Terminais Central e Ouro Verde; uma outra entre o Terminal Campo Grande e a nova rodoviária, ambas com previsão de operação para o segundo semestre de 2012. E o projeto futuro de ligação entre o Terminal Ouro Verde e o Aeroporto de Viracopos.

"Nós estamos incluindo, discutindo e estudando a inclusão deste mesmo sistema no rótula e contra rótula. Isso obviamente está em estudo e se for incorporado será decidido pelo prefeito até o final de abril e início de maio. Se for aceita essa nossa sugestão pelo prefeito, então nós vamos apresentar um projeto maior e mais abrangente", disse o secretário.

Gerson Bittencourt disse ainda que o rótula e o contrarrótula estavam inseridas na rede de transportes e receberiam um corredor de ônibus. Com isso, pode ocorrer uma redução substancial do número de ônibus que circulam neste quadrilátero . "Este veículo de média capacidade que nós estamos propondo vai facilitar ainda mais a nossa vida. Um ônibus precisa de cerca de 3,4 metros de via pública para um corredor de ônibus exclusivo. Estamos discutindo aqui um veículo de 2,2 metros, então nós vamos ter uma condição operacional e uma demanda de obras muito menor do que aquilo que nós estávamos imaginando com a implantação de corredores exclusivos de ônibus", conclui.

O projeto inicial está orçado em R$ 950 milhões, sendo R$ 450 milhões em obras e R$ 500 milhões para o material rodante, o trem. No início de abril, uma delegação da prefeitura e empresários vão à Europa conhecer o sistema VLP.

Fonte: DCI